«Quem confia em polícia?»: As atitudes dos adolescentes frente à autoridade policial

Contenido principal del artículo

Debora Piccirillo
Aline M. Mizutani Gomes, Mg.
André Vilela Komatsu, Ph. D.

Resumen

Pesquisas têm destacado a importância da confiança entre cidadãos e autoridades para o reconhecimento das leis e a manutenção da ordem democrática. Assim, o objetivo deste artigo foi investigar os elementos que contribuem para a construção da confiança na polícia. Foi aplicado um questionário numa amostra de 743 adolescentes na cidade de São Paulo, Brasil e empregamos uma análise de regressão ordinal multinível. Os resultados indicam que os adolescentes de escolas públicas e com maior número de experiências indiretas com a polícia confiam menos na polícia; por outro lado, quando acreditam em um tratamento justo e respeitoso tendem a confiar mais. Nesse sentido, adotar uma estratégia consensual para trabalhar com o público adolescente pode ser um caminho para a construção de laços de confiança com a instituição policial.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Cómo citar
Piccirillo, D., M. Mizutani Gomes, A., & Vilela Komatsu, A. (2022). «Quem confia em polícia?»: As atitudes dos adolescentes frente à autoridade policial. Revista Latinoamericana De Ciencias Sociales, Niñez Y Juventud, 20(3), 1–22. https://doi.org/10.11600/rlcsnj.20.3.5104
Sección
Segunda Parte Volumen 20 No. 3
Biografía del autor/a

Debora Piccirillo, Universidade de São Paul, Brasil

Bacharela em Ciências Sociais, Universidade de São Paulo, Brasil. Pesquisadora do Núcleo de Estudos da Violência, Universidade de São Paulo. Aluna de Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade de São Paulo. 0000-0003-0280-3918. H5: 2. Correo electrónico: debora.veiga@usp.br

Aline M. Mizutani Gomes, Mg., Universidade de São Paul, Brasil

Mestre em Psicologia, Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, Brasil. Pesquisadora do Núcleode Estudos da Violência da Universidade de São Paulo. 0000-0003-0489-8439. H5: 2. Correo electrónico: alinemizu@gmail.com

André Vilela Komatsu, Ph. D., Universidade de São Paul, Brasil

Doutor em Psicologia, Departamento de Psicologia da Universidade de São Paulo, Brasil. Pesquisador do
Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo. 0000-0001-8508-6787. H5: 5. Correo
electrónico: avk@usp.br

Citas

Adorno, S., Lima, R. S., & Bordini, E. (1999). O Adolescente na Criminalidade Urbana em São Paulo. Ministério da Justiça, Secretaria de Estado dos Direitos Humanos. https://nev.prp.usp.br/publicacao/o-adolescente-na-criminalidade-urbana-em-so-paulo/

Anunciação, D., Trad, L. A. B., & Ferreira, T. (2020). «Mão na cabeça!»: abordagem policial, racismo e violência estrutural entre jovens negros de três capitais do Nordeste. Saúde e Sociedade, 29(1), e190271. https://doi.org/10.1590/S0104-12902020190271

Arfan, M., & Sherwani, R. (2017). Ordinal logit and multilevel ordinal logit models: An application on wealth index MICS-Survey data. Pakistan Journal of Statistics and Operation Research, 13(1), 211-226. https://doi.org/10.18187/pjsor.v13i1.1801

Assis, S. G. Oliveira, R. V. C., Pires, T. O., Avancini, J. Q., & Pesce, R. P. (2013). Family, school and community violence and problem behaviour in Childhood: results from a longitudinal study in Brazil. Paediatrics Today, 9(1), 36-48. https://doi.org/h37f

Boateng, F. D. (2016). Neighborhood-level effects on trust in the police: A multilevel analysis. International Criminal Justice Review, 26(3), 217-236. https://doi.org/h37g

Bradford, B., Huq, A., Jackson, J., & Roberts, B. (2014). What price fairness when securi-ty is at stake? Police legitimacy in South Africa. Regulation & Governance, 8(2), 246- 268. https://doi.org/10.1111/rego.12012

Bretas, M. L. & Rosemberg, A. (2013). A história da polícia no Brasil: balanço e perspectivas. Topoi, 14(26), 162-173. https://doi.org/10.1590/2237-101X014026011

Cardia, N. (2003). Exposição à violência: seus efeitos sobre valores e crenças em relação à violência, polícia e direitos humanos. Revista Lusotopie, 10, 299-330.

Cubas, V., Alves, R., & Oliveira, A. (2020). Tão diferentes e tão iguais: As percepções de policiais civis e militares de São Paulo sobre suas instituições. Revista Dilemas, 13(3), 801-825. https://doi.org/10.17648/dilemas.v13n3.26235

Curi, A. Z., & Menezes-Filho, N. A. (2009). Os determinantes dos gastos com educação no Brasil. XXXVII Encontro Nacional de Economia, Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil. http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/5102

Datafolha. (2017). Metade dos brasileiros tem medo de sofrer violência policial. https://bit.ly/3OP7O4U

Fagan, J., & Tyler, T. (2005). Legal socialization of children and adolescents. Social Justice Research, 18(3), 217-242. https://doi.org/10.1007/s11211-005-6823-3

Fine, A., Padilla, K., & Tapp, J. (2019). Can youths’ perceptions of the police be improved? Results of a school-based field evaluation in three jurisdictions. Psychology, Public Policy and Law, 25(4), 303-314. https://doi.org/10.1037/law0000207

Fine, A., Padilla, K., & Tom, K. E. (2020). Police legitimacy: Identifying developmental trends and whether youths’ perceptions can be changed. Journal of Experimental Criminology, 18, 67-87. https://doi.org/10.1007/s11292-020-09438-7

Granot, Y., & Tyler, T. R. (2019). Adolescent cognition and procedural justice: Broadening the impact of research findings on policy and practice. Social and Personality Psycho-logy Compass, 13(10), 13:e12503. http://doi.org/10.1111/spc3.12503

Hamm, J. A., Trinkner, R., & Carr, J.D. (2017). Fair process, trust, and cooperation: Mo-ving toward an integrated framework of police legitimacy. Criminal Justice and Behavior, 44(9), 1183-1212. https://doi.org/10.1177/0093854817710058

Instituto de Pesquisa Econômica. (2012). Sistema de Indicadores de Percepção Social. https://bit.ly/3ApuLaB

Jeleniewski, S. (2014). Expanding legitimacy in the procedural justice model of legal socialization: Trust, obligation to obey and right to make rules (Publication No. 3581200) [Tese de Doutorado, University of New Hampshire]. ProQuest Dissertations & Theses Global.

Komatsu, A., Theodoro, R., Chies-Santos, M., & Alvarez, M. (2021). Contacts with police officers and changes in police legitimacy perceptions among Brazilian adolescents over time. International Annals of Criminology, 58(2), 237-252. https://doi.org/h37j

Kostulski, C. A., Rodrigues, P. M., Paraboni, P., & Arpin, D. M. (2019). Adolescência, violência e invisibilidade social: uma revisão crítica a partir da história de Sandro. Revista Sociais e Humanas, 32(3), 161-172. https://doi.org/10.5902/2317175826823

Kwak, H., Dierenfeldt, R., & McNeeley, S. (2019). The code of the street and cooperation with the police: Do codes of violence, procedural injustice, and police ineffectiveness discourage reporting violent victimization to the police? Journal of Criminal Justice, 60, 25-34. https://doi.org/10.1016/j.jcrimjus.2018.11.001

Lopes, C. S. (2013). Por que os brasileiros desconfiam da polícia? Uma análise das causas da desconfiança na instituição policial. Em J. A. Moisés, & R. Meneguello (Org.), A desconfiança política e seus impactos na qualidade da democracia (pp. 1-28). Edusp.

Moisés, J. A. (2010). Democracia e desconfiança das instituições democráticas. Em J. A. Moisés (Org), Democracia e confiança: Por que os cidadãos desconfiam das instituições públicas? (pp. 45-76). Edusp.

Muniz, J., Caruso, H., & Freitas, F. (2018). Os estudos policiais nas ciências sociais brasileiras: um balanço sobre a produção brasileira a partir dos anos 2000. BIB, 84, 148- 187. https://doi.org/10.17666/bib8405/2018

Muniz, J., & Paes-Machado, E. (2010). Polícia para quem precisa de polícia: contribuições aos estudos sobre policiamento. Caderno CRH, 23(60), 437-447. https://doi.org/bpz4vj

Nascimento, A. M. (2014). A linha tênue entre os vigias e os vigiados: as práticas policiais de pm’s negros em seus encontros com a comunidade negra do Distrito Federal. [Tesis de grado]. Universidade de Brasília.

Oliveira Júnior, A. (2011). Dá para con#ar nas polícias? Confiança e percepção social da polícia no Brasil. Revista Brasileira de Segurança Pública, 5(2), 6-22.

Oliveira Júnior, A., & Alencar, R. A. C. (2015). A predisposição para chamar a polícia: um estudo sobre a percepção do desempenho e da confiabilidade das instituições policiais. Revista Brasileira de Segurança Pública, 9(1), 158-170.

Piccirillo D., García-Sánchez E., Chies-Santos, M., & Gomes, A. M. (2021). The role of police contact and neighborhood experiences on legal socialization: Longitudinal evidence from adolescents in Brazil. Journal of Social Issues, 77(2), 437-461. https://doi.org/10.1111/josi.12428

Pimenta, M. M. (2014). Juventude e violência. Em R. Lima, J. L. Ratton, & R. G. Azevedo (Org.), Crime, polícia e justiça no Brasil (pp. 265-275). Contexto.

Resh, N., & Sabbagh, C. (2014). Justice, belonging and trust among Israeli middle school students. British Educational Research Journal, 40(6), 1036-1056. https://doi.org/h37k

Rodrigues, H., & Gomes, A. M. M. (2017). Socialização legal e perfis de pré-adolescentes em São Paulo: Uma análise de correspondência. Critica e Sociedade, 7(2), 181-206.

Rodrigues, H., Gomes, A. M. M., Oliveira, R. T., Piccirillo, D., & Brito, R. C. (2017). Socialização legal de crianças e adolescentes: revisão da literatura e desafios de pesquisa. Plural, 24(1), 105-123. https://doi.org/h37m

Rolim, M. F., & Hermann, D. (2018). Confiança nas polícias: percepção dos residentes e desafios para a gestão. Sociologias, 20(48), 188-211. https://doi.org/h37p

Schlittler, M. C. C. (2016). «Matar muito, prender mal»: a produção da desigualdade racial como efeito do policiamento ostensivo militarizado em SP. [Tese de Doutorado, Universidade Federal de São Carlos]. Repositório Institucional UFSCar. https://bit.ly/3Re2h9y

Silva, G., & Beato, C. (2013). Confiança na polícia em Minas Gerias: o efeito da percepção de eficiência e do contato individual. Opinião Pública, 19(1), 118-153. https://doi.org/10.1590/S0104-62762013000100006

Simões-Gomes, L. P. (2018). A (in)visibilidade da questão racial na formação dos soldados da Polícia Militar [Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo]. Bibliotéca Digital USP. https://bit.ly/3IfiHKK

Sindall, K., Mccarthy, D. J., & Brunton-Smith, I. (2017). Young people and the formation of attitudes towards the police. European Journal of Criminology, 14(3), 344-364. https://doi.org/10.1177/1477370816661739

Terra, R., Zoghbi, A. C., & Felício, F. (2012). Produtividade relativa dos setores público e privado em educação: impactos sobre a escolha da escola pela família. Economia Aplicada, 16(4), 579-611. https://doi.org/10.1590/S1413-80502012000400003

Trinkner, R., & Cohn, E. (2014). Putting the «social» back in legal socialization: procedural justice, legitimacy, and cynicism in legal and nonlegal authorities. Law & Human Behavior, 38(6), 602-617. https://doi.org/10.1037/lhb0000107

Trinkner, R., Rodrigues, H., Piccirillo, D., Gifford, F. E. & Gomes, A. (2019). Legal socialization in Brazil: Examining the generalisability of the procedural justice model. International Journal of Comparative and Applied Criminal Justice, 44(1-2), 7-27. https://doi.org/10.1080/01924036.2019.1587710

Tyler, T. (2015). Why trust matters with juveniles. American Journal of Orthopsychiatry, 85(6), 93-99. https://doi.org/10.1037/ort0000104

Tyler, T., & Fagan, J. (2008). Legitimacy and cooperation: Why do people help the police fight crime in their communities? Ohio State Journal of Criminal Law, 6, 231-275.

Tyler, T., Fagan, J., & Geller, A. (2014). Street stops and police legitimacy: teachable moments in young urban men’s legal socialization. Journal of Empirical Legal Studies, 11(4), 751-785. https://doi.org/10.1111/jels.12055

Tyler, T., & Trinkner, R. (2017). Why children follow rules: Legal socialization and the development of legitimacy. Oxford University Press. https://doi.org/h37q

Zanetic, A. (2017). Ação institucional, confiança na polícia e legitimidade em São Paulo. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 32(95), 1-19. https://doi.org/10.17666/329508/2017

Zanetic, A., Manso, B. P., Natal, A. L., & Oliveira, T. R. (2016). Legitimidade da polícia: Segurança pública para além da dissuasão. Civitas. Revista de Ciências Sociais, 16(4), 148-173. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2016.4.24183

Zavaleta, A., Kessler, G., Alvarado, A., & Zaverucha, J. (2016). A bibliographical essay on the relationship between police forces and the youth in Latin America. Política y Gobierno, 32(1), 195-216.

Zilli, L. F., & Couto, V. (2017). Servir e proteger: determinantes da avaliação pública sobre a qualidade do trabalho das Polícias Militares no Brasil. Revista Sociedade e Estado, 32(3), 681-700. https://doi.org/10.1590/s0102-69922017.3203006