Trayectoria delincuente de Cecilia: estudio de caso desde una perspectiva psicoanalítica

Contenido principal del artículo

Jacqueline de Oliveira Moreira, Dra.
Bianca Ferreira Rodrigues
Júlia Dainez da Costa
Claudia Serra Wermelinger Silva
Camila Anunciação Matos
Camila Luiza de Sena
Frederico Couto Marinho, Dr.
Andréa Máris Campos Guerra, Dra.
Bráulio Figueiredo Alves da Silva, Dr.

Resumen

En vista de la escasez de trabajos que aborden la participación de niñas y mujeres en el crimen, nuestro objetivo es presentar un estudio de caso de delincuencia femenina, extraído de los resultados parciales de la investigación «Curso de vida y trayectoria delincuente: un estudio exploratorio de eventos y narrativas de jóvenes vulnerables». Usaremos la perspectiva teórica del psicoanálisis para analizar el Plan de Servicio Individual, la entrevista semiestructurada y la narrativa memorialista de una joven que llamamos Cecilia, en honor a la poeta brasileña Cecilia Meireles. Es una mujer morena que sufrió abusos sexuales en la infancia, se convirtió en madre en la adolescencia y asesinó a sus parejas por participar en delitos. También enredada en la criminalidad, busca refugio y orientación en una religión afro.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Cómo citar
Moreira, J. de O., Rodrigues, B. F., Costa, J. D. da, Silva, C. S. W., Matos, C. A., Sena, C. L. de, Marinho, F. C., Guerra, A. M. C., & Silva, B. F. A. da. (2020). Trayectoria delincuente de Cecilia: estudio de caso desde una perspectiva psicoanalítica. Revista Latinoamericana De Ciencias Sociales, Niñez Y Juventud , 18(3), 1-23. https://doi.org/10.11600/1692715x.18301
Sección
Primera Sección: Teoría y Metateoría
Biografía del autor/a

Jacqueline de Oliveira Moreira, Dra., Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Professora na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC SP), Mestre em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Bolsista Produtividade CNPQ. Orcid: 0000-0003-0901-4217. Índice H5: 10. Correo electrónico: jackdrawin@yahoo.com.br

Bianca Ferreira Rodrigues, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Psicóloga. Doutoranda em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUCMinas). Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ). Bolsista Capes. Orcid: 0000-0002-7877-6808. Índice H5: 0. Correio eletrônico: biancaferreira025@gmail.com

Júlia Dainez da Costa, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduanda em Psicologia na Universidade Federal de Minas Gerais. Orcid: 0000-0002-0323-0923. Correo electrónico: ju.dainez.costa@gmail.com.

Claudia Serra Wermelinger Silva, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Mestre em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais. Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Orcid: 0000-0002-9113-5159. Correo electrónico: claudia.sws@gmail.com

Camila Anunciação Matos, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduanda em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais. Orcid: 0000-0002-7915-4816. Correo electrónico: a.matoscamila@gmail.com

Camila Luiza de Sena, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduanda em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais. Graduada e especialista em Direito Processual pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUCMinas). Orcid: 0000-0002-5753-4076. Correo electrónico: camila.sena.adv@gmail.com

Frederico Couto Marinho, Dr., Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil

Professor na Universidade Federal de Minas Gerais. Mestre e Doutor em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) com período sanduíche na Universidade de Lille 1/Clersé (França). Pesquisador do Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (CRISP). Orcid: 0000-0002-1405-3125. Índice H5: 6. Correo electrónico: fcfrederico9@gmail.com

Andréa Máris Campos Guerra, Dra., Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil

Professora na Universidade Federal de Minas Gerais. Doutora em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com período sanduíche na Université de Rennes II (França). Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Bolsista Produtividade CNPQ. Orcid: 0000-0001-5327-0694. Índice H5: 11. Correo electrónico: andreamcguerra@gmail.com

Bráulio Figueiredo Alves da Silva, Dr., Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil

Professor na Universidade Federal de Minas Gerais. Mestre e doutor em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Pesquisador do Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (CRISP). Bolsista Produtividade PQ2 CNPQ. Orcid: 0000-0003-1791-9075. Índice H5: 11. Correo electrónico: braulio.fas@gmail.com

Citas

Almeida, L. M. P. de (2006). Vulnerabilidade Social. Desenvolvimento humano no Recife. Atlas Municipal. https://bit.ly/2DtKidV

Andrés-Candelas, M. (2016). La construcción sociohistórica de la «infancia peligrosa» en España. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, 14(1), 95-106. https://doi.org/10.11600/1692715x.1415220615

Arpini, D. M., Siqueira, A. C., & Savegnago, S. D. O. (2012). Trauma psíquico e abuso sexual: o olhar de meninas em situação de vulnerabilidade. Psicologia: Teoria e Prática, 14(2), 88-101.

Arredondo, V., Saavedra, C., Troncoso, C., & Guerra, C. (2016). Develación del abuso sexual em niños y niñas atendidos em la Corporación Paicabi. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, 14(1), 385-399. https://doi.org/10.11600/1692715x.14126230215

Assis, S. G., & Constantino, P. (2001). Filhas do mundo: infração juvenil feminina no Rio de Janeiro. Fiocruz.

Ávila-Navarrete, V. C. (2017). ¿Corresponsabilidad familiar en instituciones de reeducación para adolescentes infractores? Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, 15(2), 1191-1206. https://doi.org/10.11600/1692715x.1522712102016

Azevedo, L. J. C. de, & Brandão, E. P. (2019). Trauma e a transmissão psíquica geracional. Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica, 22(1), 8-18. https://doi.org/10.1590/s1516-14982019001002

Prefeitura de Belo Horizonte. (2013). Diagnóstico da situação da criança, do adolescente e do jovem em Belo Horizonte-Livro 10: sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente. Cooperativa de Trabalho de Professores Universidade Livre. https://bit.ly/2EDgU5t

Birman, P., & Machado, C. (2012). A violência dos justos: evangélicos, mídia e periferias da metrópole. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 27(80), 55-69.

Bourdieu, P. (2014). A dominação masculina: a condição feminina e a violência simbólica. BestBolso.

Brasil. (1940). Código Penal. https://bit.ly/2BTzBko

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. https://bit.ly/2BYgZQo

Brasil. (1990). Estatuto da Criança e do Adolescente. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm

Brasil. (2006). Lei n°. 11.343, de 23 de agosto de 2006. https://bit.ly/39QVY6J

Brasil. (2012a). Lei n°. 12.650, de 17 de maio de 2012. https://bit.ly/3gpMsKn

Brasil. (2012b). Lei nº 12.594, de 18 de Janeiro de 2012. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12594.htm

Brasil. (2015). Dos espaços aos direitos: a realidade da ressocialização na aplicação das medidas socioeducativas de internação das adolescentes do sexo feminino em conflito com a lei nas cinco regiões. Conselho Nacional de Justiça. https://bit.ly/2BVF4r5

Brasil. (2017). Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias: Infopen. Ministério da Justiça e Segurança Pública; Departamento Penitenciário Nacional.

Brasil. (2018). Atlas da violência 2018. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão; Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Butler, J. (2017). Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Civilização Brasileira.

Castel, R. (1997). A Dinâmica dos Processos de Marginalização: da vulnerabilidade a «des"liação». Caderno CRH, 10(26), 19-40.

Cunha, C. V. (2014). Religião e criminalidade: tra"cantes e evangélicos entre os anos 1980 e 2000 nas favelas cariocas. Religião e Sociedade, 34(1), 61-93. https://doi.org/10.1590/S0100-85872014000100004

Dias, V. M. P. W. (2013). Juventude, religião e criminalidade. Revista Nures, 9(23), 1-17.

Diniz, S. G. (2013). Direitos sexuais e direitos reprodutivos. Em G. Venturi & T. Godinho (Orgs.), Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado (pp. 30-50). Edições Sesc.

Diógenes, G. (2003). Itinerários de Corpos Juvenis. Annablume.

Fanon, F. (2008). Pele negra, máscaras brancas. Edu'a.

Fernandes, F. (2008). A integração do negro na sociedade de classes: o legado da «raça branca». Globo.

Freud, S. (1996a). Luto e melancolia. Em S. Freud (ed.), A história do movimento psicanalítico: artigos sobre metapsicologia e outros trabalhos (1914-1916) (pp. 249-263). Imago. (Obra original publicada en 1917).

Freud, S. (1996b). Além do princípio do prazer. Em S. Freud (Ed.), Além do Princípio de Prazer, Psicologia de Grupo e Outros Trabalhos (1920-1922) (pp.13-75). Imago. (Obra original publicada en 1920).

Guerra, A. M., Moreira, J. O., Oliveira, L. V., & Lima, R. G. (2017). (e Narrative Memoir as a Psychoanalytical Strategy for the Research of Social Phenomena. Psycholo#, 8(8), 1238-1253. https://doi.org/10.4236/psych.2017.88080

Huculak, S., & Mclennan, J. D. (2010). «(e Lord is my shepherd»: Examining spirituality as a protection against mental health problems in youth exposed to violence in Brazil. Mental Health, Religion & Culture, 13(5), 467-484. https://doi.org/10.1080/13674670903406096

Lagoas, J. M., & Chatelard, D. S. (2019). Contribuições para uma Teoria Psicanalítica da Percepção: da regressão alucinatória à coisa do desejo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 35(e35432), 1-12. https://doi.org/10.1590/0102.3772e35432

Leal, D. M., & Macedo, J. P. (2019). Os discursos protetivos e punitivos acerca dos adolescentes em medida de internação no Brasil. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, 17(1), 207-221. https://doi.org/10.11600/1692715x.17112

Luz, M. A. (2010). Cultura negra e ideologia do recalque. Pallas.

Maldonado, G., & Cardoso, M. R. (2009). O trauma psíquico e o paradoxo das narrativas impossíveis, mas necessárias. Psicologia Clínica, 21(1), 45-57. https://doi.org/10.1590/S0103-56652009000100004

Marinho, C. H. (2004). Viúvas de gangues: o universo interdito da violência urbana juvenil [Tesis de maestría no publicada]. Universidade Federal do Ceará.

Oliveira, M. C. S. L. de, Costa, D. L. P., & Camargo, C. K. de. (2018). Infração juvenil feminina e socioeducação: um enfoque cultural e de gênero. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 18(1), 72-92. https://doi.org/10.12957/epp.2018.38110

Reis, E. S. (2004). Corpo e memória traumática [Ponencia]. I Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e VII Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental.

Ribeiro, F. M. L., & Minayo, M. C. de S. (2014). O papel da religião na promoção da saúde, na prevenção da violência e na reabilitação de pessoas envolvidas com a criminalidade: revisão de literatura. Ciência & Saúde Coletiva, 19(6), 1773-1789. https://doi.org/10.1590/1413-81232014196.13112013

Secretaria de Vigilância em Saúde. (2018a). Análise epidemiológica da violência sexual contra crianças e adolescentes no Brasil, 2011 a 2017. Boletim Epidemiológico, 49(27), 1-17.

Seligmann-Silva, M. (2000). A história como trauma. Em C. Nestrovski & M. Seligmann- Silva (Orgs.), Catástrofe e Representação: ensaios (pp. 73-98). Escuta.

Silva, B. F. A. da, & Guerra, A. M. C. (2017). Curso de vida e trajetória delinquencial: um estudo exploratório dos eventos e narrativas de jovens em situação de vulnerabilidade. Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (Crisp).

Souza, T. L. E. de. (2018). Meninas «invisíveis»: a realidade da ressocialização das adolescentes na cidade de São Paulo. Cadernos de Gênero e Diversidade, 5(4), 160-183. https://doi.org/10.9771/cgd.v4i1.25535

Wachelke, J. (2018). Relações entre prioridades de valores de adolescentes e posições sociais de renda e escolaridade. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, 16(2), 913-927. https://doi.org/10.11600/1692715x.16218